terça-feira, julho 6

As contas da autarquia

No exercício da minha actividade profissional, estive pessoalmente, há alguns minutos, com o presidente da Câmara de Mondim de Basto, Humberto Cerqueira, também eleito pela primeira vez em Outubro de 2009, que me adiantou, para efeito de notícia, que a sua autarquia mandou realizar uma auditoria externa às contas do município.

Aquele trabalho apurou uma dívida de 19 milhões de euros, que obrigou a câmara a contrair um empréstimo de 13,5 milhões para saneamento financeiro.

Vem isto a propósito do que, na minha opinião, deveria ter sido feito em Felgueiras. Chegou a ser anunciado, mas nunca realizado.

Creio que a Nova Esperança deveria tê-lo feito no início do mandato, porque ficaria munida de um instrumento objectivo, credível, que avalizaria as declarações políticas quando se sustenta que foi herdada uma situação difícil do anterior executivo. Defendi, a título pessoal, isso junto de alguns dos actuais membros do executivo.

Pessoalmente, não tenho dúvidas que a Nova Esperança herdou, de facto, uma situação difícil, atentos os compromissos financeiros megalómanos, sobretudo os relativos aos demasiados centros escolares, assumidos pela equipa de Fátima Felgueiras.

Na altura defendi que os encargos eram demasiado pesados para um concelho com a dimensão do nosso e por isso penalizadores quanto ao futuro, o que agora se confirma.

As palavras do presidente da Câmara, Dr. Inácio Ribeiro, a propósito do pesada herança, que são, na minha opinião, equilibradas, poderiam ter outra cobertura política baseada em números decorrentes da dita auditoria.

7 comentários:

SPC disse...

Caro Armindo

Todos sabemos que a auditoria está a ser feita!!

Acha que alguém, de perfeito juízo, pegava numa Câmara depois de tanto desgoverno sem uma auditoria?!

Quando é que vão sair os resultados? Isso é outra história mas não fazer uma auditoria era incompetência. Não acham?

J.Afonso disse...

Caro Armindo,

Se calhar, mandaram fazer. Provavelmente, continuam á espera do resultado da mesma.
Digo eu.

Armindo Mendes disse...

Caro SPC, se a auditoria está a ser realizada, para mim é uma surpresa, confesso!
Mas, se assim é, óptimo.
Aguardemos serenamente os resultados.

Margaride disse...

Pelo pouco que vou lendo por cá, e espero não estar a fazer julgamento precipitado, fico com uma sensação que Sr Armindo, estará a fazer uma perseguição ao actual executivo.
Para isso deixo o exemplo da notícia, no Expresso Felgueiras online, sobre a derrapagem da casa das artes. No mesmo dia em outro jornal (e o texto muito igual) com mais parágrafos e mais informação ficamos com duas ideias:
No EF ficamos com a dúvida de que será a "culpa", do actual ou anterior executivo.
No outro jornal, com muito mais informação as duvidas evaporam-se.

Isto para dizer que agora com esta comparação entre Felgueiras e Mondim. Antes de, não teria sido melhor questionar o executivo sobre o assunto? Mas esperemos que outras notícias e fotos no EF sejam apenas coincidências. Mas é coisa que o grande Jornal da Lixa não faz, apenas faz noticia.

Armindo Mendes disse...

Essa “boca” da perseguição não faz sentido, posso garantir ao senhor Margaride e aos demais leitores deste espaço de opinião.
Os que me conhecem há muitos anos, nomeadamente os mais influentes da Nova Esperança, como o Dr. Inácio Ribeiro, o Dr. João Sousa e o Sr. Eduardo Teixeira, sabem que não entro nessa onda.
Assumo a minha relação de amizade com os três, mas isso não me pode impedir de, no quadro do meu trabalho, manter uma relação de independência face ao poder, ora concordando ora discordando das suas políticas, como aliás já o fazia no tempo de Fátima Felgueiras.
Quanto ao texto que foi publicado no EXPRESSO DE FELGUEIRAS, da minha autoria, a propósito da Casa das Artes, informo que foi o que saiu na linha de informação da Agência Lusa, onde sou jornalista há alguns anos. No artigo foi ouvida a posição do poder e da oposição, como se impunha.
Quanto ao referido artigo que terá saído noutro jornal, aludido por V. Exa., desconheço o conteúdo e por isso, como compreenderá, não posso nem devo comentar.
Permita-se dizer-lhe ainda que o meu artigo baseou-se em informações escritas enviadas, a meu pedido, pela vereadora Dra. Carla Meireles, acrescidas de outros dados que me foram facultados via telefone pelo Dr. João Sousa.
Quanto a Mondim, não foi feita qualquer comparação, foi apenas dado como um exemplo do que deveria ter sido feito em Felgueiras.
Entretanto, alguém já aqui disse que eu me enganei e que afinal está em curso uma auditoria na Câmara de Felgueiras. Se assim é, óptimo, como já referi. Aguardemos as conclusões.

Pedro Azevedo disse...

Humm

Falta-me cá um comentário a este assunto Sr. Sérgio Martins.

Quem afirma publicamente que não sabia de auditoria nenhuma e usa nomes como o Inacio Ribeiro e o João Sousa abre o peito e sujeita-se ás balas.

Que não queira publicar o meu comentário, não entendo, mas aceito (que remédio) mas inverdades como esta também deveriam de ser boicotadas!

Há auditoria e foi noticia!

Não é do tipo de coisas que escapa a "jornalista"

smartins disse...

Caro Pedro Azevedo,
Como eu já escrevi algures, foi a forma como disse (ou melhor, escreveu). Conteste ideias, não ofenda pessoas, mesmo discordando destas.