sexta-feira, junho 25

Casa das Artes: Despesas “resvalaram” quase um milhão de euros!

Sinceramente, não sei de quem é a responsabilidade, mas sabermos todos agora (http://www.expressofelgueiras.com/v2/noticia.asp?cod=3053) que a Casa das Artes, que ainda nem sequer abriu, vai absorver mais de quatro milhões de euros, ou seja, quase mais um milhão do que o previsto inicialmente, é algo inquietante.

E pelo que se diz, ainda vai ser necessário gastar muito dinheiro para pôr a Casa das Artes funcional, nomeadamente nos arranjos exteriores e algum equipamento.

Não sei se a "culpa" é do actual ou do anterior executivo, mas que nos deixa a todos atónitos, lá isso deixa... Se calhar, como em quase tudo nestas coisas dos políticos, a culpa vai morrer solteira.

Fica-se com a ideia de que a avaliação do custo da obra, ainda da responsabilidade do anterior executivo, foi no mínimo subvalorizado, o que até se compreendia se o diferencial fosse pequeno, fosse razoável.

Mas, constatar-se agora que a diferença do custo é de quase 30 por cento, é algo surpreendente, o que nos remete a todos para uma reflexão sobre a forma como alguns políticos gerem os recursos públicos.

4 comentários:

J.Afonso disse...

Basta passar à porta do mesmo para se verificar porque se tem gasto mais dinheiro do que o previsto e o porquê de ainda não ter aberto portas. Na volta, ainda cai alguma coisa na cabeça de alguém...

Margaride disse...

Artigo interessante em:

http://www.publico.pt/Cultura/felgueiras-custo-da-casa-das-artes-derrapou-quase-um-milhao-de-euros_1443693

Apenas não sei que é o/a jornalista...

Tanta imcompetencia lida neste artigo...

Culpados? Quêm? Quando? Onde?

Tudo na mesma... tudo igual?

Gil disse...

Ouvi falar em 950 euros por cada cadeira!!!
Fazem massagens?
Que cadeiras são estas?

anabela disse...

Mais uma vez há que repôr a verdade. a obra não resvalou e as notícias que passam para os jornais locais são falsas.
A Casa das Artes está pronta a funcionar desde Dezembro de 2009.
A quantia de que tanto se fala pretende confundir e baralhar, a verdade é que este executivo não pagou ainda ao empreiteiro a parte final da obra e este não a entrega.
Quem perde são os felgueirenses que estão privados de cinema, teatro, concertos, ópera. Mas À boa maneira da terra é sempre preferível dizer mal...