quinta-feira, junho 28

Perdidos e achados


Esta simples e singela notícia no Boletim Municipal, está completamente «perdida» não acham? Porque será?

Acabou o ano lectivo

Mais um ano de estudos que acabou. Não vou aqui fazer nenhuma análise ou balanço do mesmo. Vou apenas referir que acabou um ano lectivo em que uma aluna não conseguiu ter um quadro para que pudesse ver o que a professora escrevia [«Um simples quadro branco», «Reclamar Resulta» e «Um simples e singelo quadro branco»]. Passaram vinte e quatro dias (não horas) desde que o vereador responsável pelo pelouro me disse que o quadro estaria lá dentro de pouco tempo (eu sei que não precisou, quantificando o tempo), mas seria sempre antes do final do ano lectivo.

quarta-feira, junho 27

É hoje...

Hoje estou num daqueles dias absolutamente cansado, chateado e implicativo com tudo e com todos. Estou num dia daqueles em que me apetece mandar tudo às malvas e guardar um tempo só para mim, para aquilo que gosto, para dormir, descansar, ouvir música, ler. Já nem consigo escrever neste blogue, acompanhar as notícias e falar com os amigos. Já nem consigo tomar café com os amigos (se é que ainda os tenho). Preciso aliviar este stress, urgentemente.

segunda-feira, junho 25

Desafios

Confesso que o tempo tem sido um recurso extremamente escasso nos últimos meses da minha vida. Mas prometo que responderei ao desafio lançado por Inácio Lemos de nomear alguns dos livros que me marcaram.

quarta-feira, junho 20

2500 caracteres de tempo de antena (1)

Todas as tomadas de posse dos novos órgãos partidários são acompanhadas, por norma, por um jantar. Este tem como finalidade juntar os militantes em torno de um novo projecto, imprimir novas dinâmicas e massa crítica. O jantar da tomada de posse dos novos órgãos do PSD não foi excepção. A presença massiva dos militantes em conjunto com a de Marques Mendes, presidente do partido, garantiu o sucesso do jantar. A presença de Marques Mendes, pela segunda vez em dois anos, no concelho de Felgueiras vem transmitir um sinal de confiança política no PSD Felgueiras para levar a cabo a tarefa de ser finalmente poder em Felgueiras.
Claro que, sabida da sua presença em Felgueiras o PS concelhio emite um comunicado completamente despropositado, pedindo (percebidas as entrelinhas) que lhes desse a eles, socialistas, um pouco de «tempo de antena», não obtendo qualquer resultado. O PS Felgueiras não percebeu ainda que quanto mais falar do PSD pior para eles. Primeiro porque desvia a atenção daquilo que verdadeiramente deve ser debatido, os problemas de Felgueiras, segundo porque releva as suas fragilidades e debilidades. O PS Felgueiras é neste momento um partido absolutamente dividido, sem rumo, sem estratégia. Mais preocupado em limpar a casa, reorganizar-se internamente, deixa para segundo plano o debate político, a denuncia e o protesto típicos de quem é oposição. Permite que figuras há pouco tempo afastadas agora regressem, com estratégias pessoais predeterminadas para um assalto ao poder. Com isso atiram para «trás das costas» que foram esquecidos pelo PS nacional. Foram-no durante a campanha eleitoral, em que Almeida Santos, com as suas declarações, humilhou o candidato que não merecia isso e durante estes dois anos em que nenhuma figura de destaque fala e muito menos vem a Felgueiras. De que se queixam então os socialistas de Felgueiras? Só de si mesmos. É notória a dificuldade em largarem as amaras do passado, através de entrevistas concedidas pelos principais elementos do PS, pela relação sempre difícil de presidentes de junta de freguesia (problema de que o PSD também padece) e de vereadores problemáticos que tiveram que ser substituídos. Claro que este tipo de problemas existe em todos os partidos, pelo que a confrontação e exposição destas questões em comunicado de imprensa, sem acrescentar nada mais é um erro político grosseiro. A não ser que o PS concelhio seja adepto da velha máxima de «falem bem ou mal de mim, mas falem». Se assim é, aqui tiveram dois mil e quinhentos caracteres de tempo de antena.
(1) Expresso de Felgueiras 15 Junho'07

sábado, junho 16

Alguém sabe?

O que pode ter acontecido com o contador deste blogue? «Marou» de vez? Já tinha passado das 39.000 visitas e nos últimos quatro dias não contou nada e ainda por cima andou para trás.

sexta-feira, junho 15

Ai sim?

Dizia-me há instantes um amigo meu ao telefone: «até que enfim que tu e o Hélder discordam um do outro!». Estou ansioso por ler o «Expresso de Felgueiras».

quarta-feira, junho 13

E tudo o que é demais, é erro...


Trinta e nove mil

Este pequeno blogue que fala quase em exclusivo de Felgueiras há dois anos atingiu as 39000 vistas. Nada de especial comparando com outros. Aqui não há gajas, sexo, futebol, rock’n roll. Há algum xadrez, política e essencialmente Felgueiras, as suas gentes e principalmente os seus problemas. Coisa “pouca” portanto.

terça-feira, junho 12

segunda-feira, junho 11

Mea culpa

Confesso. A culpa é minha. Sou apenas eu que vejo e percebo um PS sem «bandeiras» para agitar no concelho, preocupado apenas com aquilo que se passa «no jardim do vizinho», esquecendo (na grande maioria das vezes) o que se passa no seu próprio «quintal». A (errada) estratégia de aparecer nas notícias a reboque dos outros sem soluções e com melhores exemplos é desaconselhada por todos. Incluindo pelos que percebem disto.

sexta-feira, junho 8

Há jantar

Sempre que há eleições internas há tomada de posse e consequente jantar. Desta vez também não será excepção na tomada de posse do PSD Felgueiras. É a ocasião de mobilização do partido, de mostrar dinamismo, de criar massa crítica à volta de um projecto. Claro que há sempre quem tente condicionar e desvalorizar. Acho, de facto, piada à argumentação. Por um lado Marques Mendes não deve «ceder à tentação de criticar e fazer ligações políticas ao passado.» e por outro «não pode esquecer o comportamento dos actuais vereadores do PSD», o problema é que tanto uma situação, como outra, já são passado. Mas compreendo a preocupação quando se é militante de um partido cuja primeira preocupação não é quem está no poder mas sim o maior partido da oposição. Só assim se compreende o porquê de o post de entrada no seu blogue estar, desde 19 de Abril, a parabenizar da nova comissão política do… PSD.

segunda-feira, junho 4

Não é usual, mas acontece

Não é muito usual, mas ainda há políticos com carácter e que assumem as suas responsabilidades. A propósito desta minha posta e desta minha crónica [Expresso de Felgueiras, 1.6.7] recebi um telefonema do vereador responsável pela área da Educação, Dr. João Garção, que para além de outros assuntos, assumiu de imediato a responsabilidade política pelo acontecido, enquanto responsável máximo pela área. Gostei da nobre atitude, destacando a afirmação «não podemos apenas dar a cara nas boas ocasiões». É pena que na política não existam apenas pessoas assim, mas lá chegará o tempo. Fiquei com a garantia que no mais curto espaço de tempo a menina terá o seu necessário quadro. Tenho a convicção que não tendo sendo o vereador o «culpado» pelo atraso - por certo esta situação é mais uma causa da intrincada burocracia e desresponsabilização de alguns. Fico satisfeito.

Um simples e singelo quadro branco (1)

Numa escola do primeiro ciclo do concelho de Felgueiras, uma menina do primeiro ano tem um grave problema de visão. Nistagmo. Para além de outras implicações, não consegue ler num quadro preto. Para ultrapassar essa questão a professora solicitou em Novembro passado, à câmara municipal, entidade responsável, um quadro branco para que aquela menina possa ler como os restantes colegas. Por entre guias perdidas, substituídas, fornecedores que já não fornecem, aprovações de um não sei quantos engenheiros e responsáveis, seis meses depois e a um mês do fim do ano lectivo, aquela jovem menina ainda não tem o quadro que lhe permitiria começar em pé de igualdade com os seus colegas a vida académica, uma vez que na social, já ela está em desvantagem. Desconheço que tipo de diligências e insistências foram tomadas pela professora e pelos responsáveis da escola, no sentido de pressionar para um caso tão premente como este. Na mesma escola, recentemente remodelada, e já a braços com problemas, uma grande empresa da área da distribuição alimentar, com um concurso onde as turmas vencedoras ganham computadores, foi fazer a entrega de um PC. A entrega foi adiada pelo menos uma vez porque a presidente da autarquia, não podia estar presente. Não se percebe o porquê de tal presença, numa primeira observação, onde uma empresa privada oferece um PC a uma escola. Depois, com a presença de um fotógrafo «oficial» fica explicado. O próximo boletim municipal, muito próximo de um jornal de propaganda, terá com toda a certeza uma foto da presidente da autarquia com as crianças. Nada mais foi resolvido, o simples e singelo quadro branco continua por entregar, foi feito o discurso da praxe e até à próxima. Confesso que a minha mente tem enorme dificuldade em entender estas coisas, mas devo ser apenas eu, porque não vi mais ninguém, incluindo os responsáveis a insurgirem-se. De que valem grandes medidas e projectos quando não se conseguem satisfazer as necessidades básicas e prementes de uma jovem menina? Não sei quem são os responsáveis, nem quero saber, o quadro é que já lá devia estar.

O novo PSD Felgueiras parece ter, ao que tudo indica, aprendido a lição. Uma nova postura comunicacional, uma nova imagem e determinação, uma nova abordagem da estrutura política, dando sinais de quem manda, para onde é o caminho e de que forma lá chegarão. Aqueles casos mais difíceis, como a Assembleia Municipal e presidentes de juntas de freguesia, a ser tratados quanto antes, a tempo de ultrapassar «surpresas» demasiado próximas das eleições. Ao que tudo indica, no bom caminho portanto.

Ler os outros

Não é por ser meu amigo, mas as fotos do Armindo Mendes não deixam de me surpreender. Conseguem captar momentos verdadeiramente mágicos. Confiram aqui.

sábado, junho 2